Sede Administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Nordeste

União Nordeste Brasileira

Lição PG nº 9 – 02 de março – Sexo: Por que esperar pelo casamento

Publicado por: rutesouza

SEXO: POR QUE ESPERAR PELO CASAMENTO?

“Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.” Gn. 2.24

A maneira mais íntima de estarmos conectados a outra pessoa é através do sexo. Por isso, esperar, além de uma escolha, é também uma atitude de obediência. Os relacionamentos são uma necessidade humana para um desenvolvimento saudável e feliz. Desses contatos sociais, o mais íntimo deles é o casamento, uma instituição sagrada que surgiu no coração de Deus. E
falar em casamento é também falar em sexo. A expressão amar e ser amado tem sido erradamente utilizada, pois o apelo sexual está cada vez mais intenso e abrangente. Assim, ao criar o homem, Deus estabeleceu leis para nortear, inclusive o comportamento sexual. Homens e mulheres são tentados ao envolvimento físico/íntimo inadequado, por essa razão devem fugir das paixões da mocidade e seguir a justiça, a fé, o amor e a paz (II Tm. 2.22). Eis a seguir algumas razões palas quais devemos esperar pelo casamento, para que haja o relacionamento sexual.

Razões espirituais

O testemunho bíblico deixa claro que o sexo é uma atividade exclusiva para o casamento (Gn. 2:24). Jesus confirmou esse princípio ao declarar que “ao deixarem pai e mãe tornam-se uma só carne, de modo que não são mais dois e sim apenas um. ” (Mt. 19:3-6); consequentemente, a abstinência antes do casamento é essencial para melhores relacionamentos, pois esta harmoniza-se com o princípio do amor. O amor é paciente… não procura seus próprios interesses, tudo espera, tudo suporta (I Co. 13;4-8), isso inclui, taxativamente, esperar o casamento para se ter relações sexuais. Essa é uma atitude responsável e ao tomar a decisão de se abster, tal pessoa demonstra aceitação às normas divinas, propiciando para si e para os outros uma boa qualidade de vida no presente e no futuro. Além do mais, não podemos esquecer que praticado em qualquer período
anterior ao matrimônio, o sexo se torna um pecado contra o próprio Deus (Gn. 39:9), acarretando consequências funestas, colocando em risco a entrada e participação no “reino de Deus” (I Co. 6:9, 18; 7:9; Ap. 22:15). Fica evidente que tentar  defender o sexo pré-marital como correto, não se enquadra dentro das orientações bíblicas.

Razões morais e éticas

Somos seres morais, racionais, diferentes dos animais que são dirigidos somente pelos instintos, os quais desfrutam da liberdade sexual de acordo com suas necessidades. A abstinência sexual antes do casamento é importante e estudos apontam que é um fator positivo para fidelidade e bons relacionamentos. Precisamos agir pela razão, sempre levando em conta a relação causa-efeito de nossas escolhas. É necessário ter respeito pela dignidade humana e precisamos responder a uma pergunta: “Sexo antes do casamento é MORAL? ”. A moralidade é um fator para muitas pessoas quando estas decidem, ou não, praticarem o ato sexual pré-marital. A moral é um fator para você? Somos livres, mas devemos viver uma liberdade com responsabilidade. O princípio moral da liberdade responsável recomenda que os jovens e adolescentes que não estão em condições de assumirem os compromissos da paternidade (financeiros, psicológicos e emocionais), ainda não estão em condições de manterem relações sexuais. O sexo também é uma experiência emocional! Muitas pessoas não consideram os efeitos emocionais dessa prática antes do casamento. É essencial fazer a razão se sobrepor à emoção em tais momentos, pois do contrário, resultará em sentimentos de culpa, vergonha, desconfiança, ressentimento, falta de respeito, tensão e muito mais.

Razões psicológicas

Nós vivemos numa cultura na qual a sexualidade foi banalizada a níveis absurdos. Para algumas pessoas, o fato de haver grupos que promovam a abstinência sexual antes do casamento, “não faz sentido”. Os nossos líderes políticos tentam combater a gravidez juvenil e a propagação das doenças sexualmente transmissíveis, mas deixam de lado o único método que funciona sempre que é seguido. Viver em abstinência sexual, até o casamento, traz grandes benefícios, como ajudar os namorados a se concentrarem mais na personalidade do outro, prover bases para a confiança mútua, desenvolver maturidade, manter o respeito mútuo, diminuir a possibilidade de um adultério e permitir que os jovens desfrutem dos privilégios sadios de sua tenra idade. Por fim, não podemos esquecer, que quando há livre opção pela abstinência sexual, sofrer frustrações como, por exemplo, uma gravidez indesejada e o despreparo financeiro, são reduzidas. A possibilidade
de haver uma tragédia emocional é menor.

Conclusão – apelo

Deus está acima da sexualidade. O sexo é parte da criação divina, não há nada de pecaminoso. No entanto, satanás tratou de desviar o ser humano do ideal de Deus. O sexo caiu sob o seu plano, perdendo assim, sua verdadeira finalidade. Na relação marital entre homem e mulher, é função do sexo promover a união e a procriação. Corrompida esta relação, quando o mesmo ocorre fora dos limites do sagrado matrimônio, decreta-se a violação do mandamento divino. Isso é pecado. Peca-se contra Deus, contra outro ser humano e contra si mesmo. Consagre-se a Deus, vigie e ore para que esses desejos lascivos não tomem o controle de sua vida.

PARA DISCUTIR

1. Qual a conexão existente entre pureza sexual e pureza espiritual?
2. O sexo é uma atividade exclusiva para o casamento? Aponte razões bíblicas que confirmem sua resposta.
3. A abstinência sexual pré-marital está em conformidade com o princípio do amor?
4. Até que ponto a abstinência sexual pré-marital interfere nos relacionamentos individuais e na comunidade?
5. Como cristãos, qual nosso papel na sociedade e na igreja em relação ao tema? Qual a minha missão?

Versos estudados nesta lição:
1. Gênesis. 2.24; 39:9; 2. II Timóteo 2.22; 3. Mateus 19:3-6; 4. I Coríntios 13:4-8; 6:9, 18; 7:9; 5. Apocalipse 22:15.

 

AUTOR: Pr. Wellington Oliveira Junior
Distrital – Associação Pernambucana Central