Sede Administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Nordeste

União Nordeste Brasileira

Lição PG – nº 41 – 13 de outubro – Cada um para o seu lado

CADA UM PARA O SEU LADO

“Andarão dois juntos, se não houver entre eles acordo?” Amós 3:3

Na última década, o número de divórcios no Brasil cresceu 160%, atingindo a assustadora marca de 341 mil divórcios. É muita gente se separando. Na avaliação dos pesquisadores, a sociedade brasileira passou a aceitar o divórcio com mais naturalidade. Entre as mulheres, a média de idade para o divórcio
é de 40 anos e 44 entre os homens, o que coloca muitos aqui em estado de apreensão e talvez alguém já tenha passado por essa experiência.

Sentimentos negativos tomam o lugar da alegria das promessas do casamento. Essas são experiências típicas de quem sofreu uma perda, apesar do divórcio representar para muitos uma libertação. Quando vão “cada um pro seu lado”, perde-se o companheirismo, o senso de pertencer, dinheiro (às vezes) e planos para o futuro. Se você está passando pela experiência do divórcio, entenda que isso não
durará para sempre.

“Não há nenhuma solidão como a solidão daqueles que vivem juntos e, no entanto, permanecem separados”.

Divorciados de Deus e um do outro
Em Amós 3:3, temos a primeira das orações interrogativas em que as respostas são sempre “não”. Andarão duas pessoas juntas se não estiverem de acordo? NÃO! Mas o contrário é visto nessa passagem, se imaginarmos as duas pessoas andando juntas no deserto árido da Judéia, pois estão de acordo. Andar no deserto certamente não é fácil e só é possível se houver compromisso e um propósito comum.

Assim como o caminhar com Deus não significa um ato ocasional, mas um hábito que surge à partir de uma relação estabelecida, duas pessoas devem seguir em uma só direção para que possam caminhar “juntas”. Quando isso não é real, cedo ou tarde ocorre o divórcio, tanto na relação com Deus, quanto nas relações humanas. Com Deus a solução é mais simples: a reconciliação. No caso das relações humanas, na maioria dos casos, é preciso encarar a vida pós-divórcio com maturidade, paciência e apoio da família e amigos até que tudo se normalize.

O que fazer se o divórcio já aconteceu?
1. Apoie os filhos:
Com exceção dos menores de três anos, os filhos têm o direito de receberem uma explicação adequada à sua idade e só têm a ganhar com esse conhecimento. Não se trata de uma tarefa agradável, mas deve ser feita e os conselhos seguintes ajudarão a realizá-la:
a. Escolha um momento tranquilo para conversar;
b. Pense bem no que vai dizer;
c. Não diga tudo de uma vez;
d. Prepare-se para as perguntas
2. Cuide de si mesmo(a):
Por vezes, pessoas divorciadas querem fazer de uma vez tudo o que não fizeram por uma vida inteira e, geralmente, fazem escolhas erradas. O melhor a fazer é manter a calma e, aos poucos, adaptar-se a essa fase da vida, porque existe vida depois do divórcio.
3. É conveniente aceitar a realidade e manter um relacionamento cordial com seu ex-cônjuge.

Como prevenir o divórcio

Alguém observou: “Casamentos são feitos no céu, mas raios e trovões também”. Todos concordam que não concordamos em tudo. Infelizmente, muitos cristãos já casam com o contrato de partilha dos bens pronto para quando o divórcio ocorrer. Não seria melhor fazer o máximo para não chegar até esse momento irreversível?

Na medida do possível, é melhor prevenir o divórcio através de recursos e boa vontade antes que a relação atinja um nível impossível de ser mantido. Veja algumas prevenções que podem ser úteis:
a. Não se deixe vencer diante dos conflitos;
b. Fortaleça a relação com detalhes que demonstrem amor;
c. Compartilhe as responsabilidades da família;
d. Não descuide do relacionamento íntimo;
e. Procure ajuda externa.

“Pesem, os que pretendem casar-se, todo sentimento e observem todas as modalidades de caráter naquele com quem desejam unir o destino de sua vida. Seja todo passo em direção da aliança
matrimonial caracterizado pela modéstia, simplicidade, sinceridade e o sincero propósito de agradar e honrar a Deus. O casamento afeta a vida futura tanto neste mundo como no vindouro. O cristão
sincero não fará planos que Deus não possa aprovar.” Ciência do Bom Viver, 359

PARA DISCUTIR

1. O que pode ser feito para evitar o divórcio com Deus?
2. Que paralelos encontramos entre essas atitudes e as que podem evitar o divórcio nas relações humanas?
3. Qual foi o mais próximo que você já esteve de uma situação de divórcio? O que poderia ser feito para ajudar as pessoas envolvidas?
4. Como o nosso grupo pode auxiliar os filhos de pais divorciados a sentirem-se amados e aceitos?
5. Você aprendeu algo novo no estudo de hoje? Compartilhe com o grupo.

Conclusão – Apelo
A Palavra de Deus não incentiva o divórcio, mas essa prática já era comum naquela época. No sermão da montanha, Jesus declarou com franqueza que não deveria ocorrer anulação do casamento, exceto por infidelidade aos votos conjugais. (Mt. 5:32).

O divórcio, nos relacionamentos humanos, ocorre em consequência do divórcio que ocorre entre o homem e Deus. Permanecer em ligação com o criador é a chave para se manter feliz e casado por toda a vida. Esse deve ser o objetivo de todo casal. Lembre-se de que “o cordão de três dobras não se quebra facilmente” (Ec 4:12).

Apoie as pessoas que passam por esse momento difícil e cuide para que o seu relacionamento não termine em divórcio, principalmente com Deus.

VERSOS BÍBLICOS USADOS NA LIÇÃO

Amós 3:3,
Eclesiastes 4:12
Mateus 5:32

Pr. Eliomar Trindade
Ministério Jovem Missão Nordeste