Sede Administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Nordeste

União Nordeste Brasileira

Lição de PG nº 9 | 01/03 | Desistindo de desistir

“E, respondendo ele, disse-lhe: deixa-a este ano, até que eu a escave e a esterque.” Lucas 13:8

Essa parábola tem alguns aspectos especiais, mas sem dúvida ela exala a graça de Deus. A primeira sensação que temos ao ler essa história é que Deus, representado na parábola pelo dono da vinha é no mínimo, impaciente. Aliás, parece que a ilustração em primeira instância é aplicável a nós. Tomando a amplidão da parábola, fica claro que a dicotomia já existente em nossa mente é reforçada pelos detalhes dessa história, de que o Deus do Antigo Testamento é menos atrativo que o do Novo. Parece que à misericórdia do vinhateiro é mais evidente. A primeira coisa que fica clara é que não havia injustiça: figueiras dão figos, o tempo estava acima da média e não havia sido poupado nada, pelo contrário, a figueira tinha privilégios especiais.

Vejamos alguns detalhes que podem passar despercebidos. Primeiro, você notou onde está plantada a figueira? Isso mesmo, em uma vinha. O terreno onde ela foi colocada era separado para a planta mais nobre de Israel. Isso não lhe diz algo? Sim, ela estava em um lugar que não merecia. Você vê graça nisso? A misericórdia também é evidente no aspecto cronológico, pois já era o terceiro ano sem frutos. O dono da vinha já havia feito um investimento além do esperado e já havia esperado além do lógico. Um outro aspecto é que o dono da vinha não resiste ao apelo do vinhateiro. Não há aqui uma discussão para manter um ponto de vista, na verdade, o problema era a figueira, que por diversas razões não deveria estar ali. Porém, é gracioso ver um Deus que desiste de desistir.

PARA DISCUTIR

1. Você desiste fácil dos outros ou de você mesmo?

2. Que segurança você sente ao saber que Deus não desiste dos Seus filhos?

Que confortantes palavras: “…deixa-a este ano…” (Vs. 8). Apesar dos nossos múltiplos fracassos, a graça de Cristo estende um tempo sobre nós, aqui representado por um ano, mas todos sabem que é bem mais que isso. É motivador saber que alguém ainda acredita em nós e tal graça nos constrange a sermos melhores. Talvez, nos últimos doze meses ou quem sabe ao longo da sua vida cristã, você e eu tenhamos colecionado fracassos. Já estivemos a ponto de jogar a toalha porém, as palavras dessa parábola ecoam até nós e nos dizem: “Vamos de novo”. Um tesouro especial dessa parábola, entre outros, é que Deus não desiste, e isso é confortador.

Desista de tentar fazer Deus desistir de você.