Sede Administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Nordeste

União Nordeste Brasileira

Lição de PG nº 50 – 15 de dezembro – O que você tem em suas mãos?

Publicado por:

O QUE VOCÊ TEM EM SUAS MÃOS?

“Se abrires a tua alma ao faminto e fartares a alma aflita, então, a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio dia.” Isaías 58:10

A solidariedade é uma atitude constante de quem entregou o coração a Jesus. Só quem reconhece a grandeza das bênçãos que recebe de Deus, vive essa bondade nas ações cotidianas. É comum falarmos de solidariedade e amor ao próximo nesta época do ano. O clima natalino favorece a sensibilidade e o olhar ao necessitado. É muito triste pensarmos que, no momento em que estamos ceando com familiares e amigos, pessoas não têm sequer o que comerem. Então, definimos como ser esse um momento oportuno para compartilhar, doar, mobilizar a Igreja e a comunidade em prol do outro. Não há nada de errado
neste sentimento e nesta motivação, afinal, é Natal.

No entanto, esse sentimento de empatia para com o necessitado deve fazer parte do coração do cristão. Não importa se é janeiro, julho ou dezembro. Importa servir ao outro com os recursos, dons e talentos que o Senhor nos deu. A solidariedade vai muito além de apenas nos desfazer do que está sobrando, dar umas moedas no trânsito ou mesmo doar o que não precisamos. O ser solidário está mais para uma atitude de bondade, empatia e compaixão em relação ao outro.

Existe um trocadilho da palavra Solidário X Solitário. É justamente a ideia que ao sermos solidários, estejamos minimizando a solidão de quem tem necessidade. Como se pudéssemos, com as nossas atitudes, não permitir que o outro se encontre
só no mundo. Talvez não exista algo tão ruim quanto se sentir só. Não ter a quem recorrer, estar rodeado de pessoas que não te conhecem, que não sabem as suas necessidades, não conhecem as suas lutas. Ao se solidarizar com alguém, Jesus convida que conheçamos as pessoas, que entendamos suas faltas, que enxerguemos sua dor.

É a forma como enxergamos o nosso próximo que nos faz um ser solidário, atento, compreensivo e bondoso. É muito mais do que dar algo a alguém, é doar a si mesmo em amor genuíno.

As palavras podem aliviar, uma atitude pode curar. Mas do que apenas falar, devemos observar como Cristo lidava com a carência do ser humano. A bíblia diz que Ele passava pelos lugares pregando e curando, ou seja, atendendo as necessidades
humanas com incrível amor e sensibilidade. E quando o assunto era a fome física, Jesus trazia o pão da vida. Mateus 14:13-21.

Ele mesmo nos ensinou como devemos agir. Às vezes, Ele apenas falava e a pessoa era curada; outras vezes, tocava ou Se deixava ser tocado, demonstrando não haver diferenças sociais entre o filho de Deus e o necessitado. Lucas 8: 43-48. Diante do toque de Cristo, as mais diversas enfermidades eram sanadas, a fome e a sede saciada e a angústia da alma suprida. Nós somos os representantes de Cristo e temos a oportunidade de aliviar tais sofrimentos. Sermos sensíveis as necessidades
fazendo o bem sem olhar a quem.

Não há nada tão gratificante quando nos sentimos úteis. Existe uma satisfação pessoal quando fazemos o bem. A sensação é que os maiores beneficiados somos nós mesmos a medida que compartilhamos o que possuímos com nosso próximo. É
como se cada recurso empregado e cada minuto disponibilizado retornassem para nós em forma de alegria e contentamento.

Você já olhou nos olhos de uma criança quando ganha uma simples moedinha? A caridade engrandece o coração do generoso. A gratidão de quem recebe atinge quem doa de uma forma irreversível. Já dizia São Francisco de Assis em sua oração: “é dando que se recebe.” Atos 3: 4-6

De fato, não há recompensa maior do que fazermos parte do povo que usa seusdons, recursos e talentos para apressar a volta de Cristo.
Se hoje você vir alguém que necessita, estenda a mão.
Se hoje você encontrar alguém que chora, ensine-o a sorrir;
Se hoje te pedirem um pedaço de pão, abra seu coração;
Se hoje Deus colocar alguém no seu caminho, cumpra sua missão.

“A obra de Deus é digna dos nossos melhores esforços… Estamos muitas vezes tão envolvidos em nosso próprio interesse egoísta que nosso coração não tem a possibilidade de dedicar-se as necessidades e carências da humanidade; estamos em
falta quanto às obras de simpatia e beneficência, em ministério santo e social aos necessitados, opressos esofredores.” – the signs of the times, 16 de setembro de 1886- BS 146.

PARA DISCUTIR

1. Existe algo errado em ter pena do outro?
2. Como eu posso fazer o bem sem esperar nada em troca?
3. Você acha que o egoísmo do ser humano o impede de ser solidário? Por quê?
4. Já houve alguma situação em que você quis ajudar a alguém, mas teve medo?
5. Como seria o mundo se nós fôssemos mais generosos e compartilhássemos mais?

CONCLUSÃO – APELO
A pergunta que se faz neste momento é: O que você tem em suas mãos? O que tiver, use e o Senhor irá abençoar de tal maneira que outras vidas serão alcançadas através de você. Deus deseja nos usar como instrumentos de bênçãos na vida daqueles que estão ao nosso redor. Se entregue ao Senhor e o milagre acontecerá hoje!

VERSOS BÍBLICOS USADOS NA LIÇÃO
Isaías 58:10
Matheus 14:13-21
Lucas 8: 43-48
Atos 3:4-6

Andreza Florêncio Gomes
Professora Associação Pernambucana