Sede Administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Nordeste

União Nordeste Brasileira

Lição de PG nº 48 |29/11|Vivos de verdade

TEXTO BÍBLICO

“Ao anjo da igreja em Sardes escreva: Estas são as palavras daquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas. Conheço as suas obras; você tem fama de estar vivo, mas está morto.” Apocalipse 3:1

A cidade de Sardes fora construída sobre uma montanha de 500 metros de altura. Isso tornava a cidade uma fortaleza quase inacessível. Sardes significa o que permanece. A igreja em Sardes não recebe felicitação de Cristo, mas apenas uma repreensão: “conheço as tuas obras que tens um nome que vives e estás morto”. Os cristãos em Sardes não são acusados de nenhum pecado específico ou heresia, mas de estarem sem vida. A igreja tem uma grande reputação – nome – de estar viva e ativa, mas está espiritualmente morta. João usa aspectos históricos da cidade para trazer lições espirituais. Seis séculos antes de João, Sardes havia sido uma das maiores cidades do mundo antigo. Era a capital do reino da Lídia. Mas, durante o período Romano, Sardes havia perdido todo o prestígio.

A cidade se orgulhava do seu passado, mas o presente era decadente. O Novo Testamento muitas vezes se refere ao pecado em termos de morte. Uma pessoa está morta em transgressão e pecado (Efésios 2:1), e vem à vida por meio de Cristo (Romanos 6:13; Efésios 2:5).  “Mas aquele que se entrega aos prazeres, a vida está morta” (I Timóteo 5:6). Em seu comentário do livro do Apocalipse, o escritor Willian Barclay apresenta de maneira ampla e profunda a terrível consequência de morte que o pecado traz: 

1 – O pecado é a morte da vontade:

Se alguém aceitar o convite do pecado, chegará muito em breve o momento quando será incapaz de aceitar qualquer outro convite. Quem realmente está livre e vivo? Quem peca ou quem tem vitória sobre o pecado? Pense em um jovem que diz que é livre por usar as drogas que bem deseja, ele é realmente livre? Livre não é aquele que faz o que quer, livre é aquele que continua querendo o que fez. “O pecado vai levar você mais longe do que quer ir. O pecado vai reter você mais tempo do que quer ficar. O pecado vai custar-lhe mais caro do que quer pagar”. Ron Mehl

2 – O pecado é a morte dos sentimentos:

O processo de tornar-se escravo do pecado não acontece da noite para o dia. A primeira vez que alguém peca o faz com temor, vacilações e dúvidas. Pensa que isso nunca mais vai acontecer novamente. Mas se ele continua em pecado, chegará o momento em que as dúvidas e temores já não existirão. O pecado petrifica os sentimentos. Aquilo que o fazia sentir vergonha e remorso já nem lhe cora a face. “O pecado silencia a voz de Deus no coração do pecador”. Robert Pierson

3 – O pecado é a morte da beleza:

O pecado tem a capacidade de transformar coisas belas em feias. O bom desejo de servir pode tornar-se domínio, amor pode tornar-se luxúria, o desejo de ter pode tornar-se egoísmo. O pecado mata a beleza da vida. “O homem que quer cultivar flores em sua vida tem que primeiro arrancar o mato do seu coração”. Roberto Summer

A igreja de Sardes não passava por nenhum tipo de perseguição, pois não havia nada para ser perseguido. O princípio Bíblico da perseguição é: “Satanás não persegue cristão morno”.

PARA DISCUTIR

1.                     O que podemos fazer para que o pecado não mate a nossa vontade e os nossos sentimentos, nem tire a beleza da vida cristã?

2.         Como podemos ajudar pessoas que estão desejando vitória sobre o pecado?

A igreja de Sardes não está sendo atacada por heresias, mas por uma fé de segunda mão. Talvez pior do que o herege, que sustenta o que crê com todo o coração, seja o crente que aceita cada ponto de uma doutrina mas não se interessa em buscar e estudar a verdade por si mesmo. Devemos viver de tal maneira que o nosso cristianismo seja a força que move cada ponto da nossa vida.

PRA NÃO ESQUECER

“Hoje, muitos conservam uma forma externa de religião, mas não a vivem como um poder capaz de transformar suas vidas.” Moffat

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *