Sede Administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Nordeste

União Nordeste Brasileira

Lição de PG nº 4 – 25 de janeiro – É ruim ser bom?

Publicado por: rutesouza

“Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? Ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? Ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? ” Mateus 25:37-39.

DA Soteriologia, estudo da salvação, está mais que definida ao longo das Escrituras. Seja no Antigo ou no Novo Testamento, a graça é só a graça (Efésios 2:8), não é protagonista na salvação do homem, e nesse caso, as obras não são coadjuvantes. Porém, o ser humano tem a dificuldade em manter-se no equilíbrio e corre para os extremos. Um deles é o quase desprezo a piedade prática, fazendo pensar que “é ruim ser bom”. As obras, na verdade, só são um problema quando estão no lugar errado. Vale lembrar que um coração, no qual a graça atua, sempre será portador de graça para os que o cercam. Na parábola citada pelo texto bíblico, as obras ganham um protagonismo não salvífico mas, relevante no “Dia Final”.

Essa parábola de Cristo é no mínimo um contraponto para os que defendem uma operosidade na vida cristã. Sem dúvida, os que estarão à direita de Cristo naquele dia serão os que aceitaram Sua graça redentora. Isso não pode ser contestado, porém, o efeito da graça na vida deles foi uma vida comprometida em aliviar a dor do próximo. Interessante é que eles não sabiam de sua piedade, quando expressa a surpresa do “quando” (Vs. 37), por isso, eu diria que é no mínimo perigoso o pensamento de que o cristianismo pode se resumir a aspectos filosóficos. Um dos tesouros dessa parábola é que ela confronta o comodismo dos que querem esconder a sua indiferença atrás de uma teologia.

PERGUNTAS PARA DISCUSSÃO

A) Por que no juízo há uma pergunta sobre obras e não sobre graça?
B) Nós já temos um ministério para aliviar a dor de alguém ou de um grupo específico? Que tal o nosso PG escolher um?

CONCLUSÃO

Esse estudo não é para colocar a graça em cheque, mas ele tem o intuito de questionar se realmente aceitamos a graça de forma que ela impacte a nossa vida, pois a genuína salvação nos levará ao serviço. A sentença, “…Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mateus 25:34), foi pronunciada aos que escolheram não resistir a graça e consequentemente, ao apelo para o serviço.

FRASE DE EFEITO

A graça leva ao agir com graça!

Autor: Pr. Paulo Correia – Ministerial Associação Pernambucana