Sede Administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Nordeste

União Nordeste Brasileira

Lição de PG nº 33 – 17 de agosto – Ensinando princípios de fidelidade

Publicado por: rutesouza

ENSINANDO PRINCÍPIOS DE FIDELIDADE

“Até a criança se dará a conhecer pelas suas ações, se a sua obra é pura e reta. ” Provérbios 20:11

O ensino e a prática da fidelidade cristã fazem parte de um processo educativo que se estende através de toda a vida e abrange todos os seus aspectos. Necessita-se de toda uma vida para essa educação, porque a erradicação do egoísmo e a formação de um caráter à semelhança divina não são obra de um dia, mas da vida inteira.

Mas onde, quando e como se inicia este processo de ensinar a fidelidade?

Basicamente, Deus estabeleceu duas instituições por meio das quais deseja ensinar a fidelidade a Seus filhos: o lar e a igreja.

Ensino e Prática da fidelidade no Lar

Os pais podem encontrar em quase todas as ocasiões oportunidades para ensinar a seus filhos e praticar com eles algo relacionado com a fidelidade. Durante a infância, a maior parte do tempo das crianças transcorre no círculo do lar, e é ali que suas experiências podem contribuir para a educação nos aspectos da fidelidade. Deus determinou que o lar seja o centro de ação dos pais para ensinar a seus filhos os princípios de Sua Palavra e para guiá-los em Seus caminhos. “Em Sua sabedoria, o Senhor determinou que a família seja o maior dentre todos os fatores educativos. É no lar que a educação da criança deve iniciar-se. Ali está a sua primeira escola. Ali, tendo seus pais como instrutores, terá a criança de aprender as lições que devem guiar por toda vida – lições de respeito, obediência, relevância, domínio
próprio.” (Lar Adventista, pag. 182).

Os pais devem ser os primeiros e mais influentes professores das crianças, pois têm a oportunidade de ensinar-lhes por preceito e por exemplo. Se isto é válido para cada uma das etapas de crescimento das crianças, tem de sê-lo principalmente os primeiros anos, quando
a pessoa aprende por imitação e observação.

Quem já não viu uma criança chorando e gritando: “Minha bola!” ou “Minha boneca!” O primeiro aprendizado da criança está relacionado quase completamente a si mesma. A criança é o centro de sua própria educação. A ênfase deve dar-se na passagem ascendente do “eu” infantil para “tu”, “ele” e “nós”. Este modo de ensinar ajudará a criança a cultivar os dons de responsabilidade, respeito, abnegação e bondade.

Na prática o que você ensina a seus filhos sobre como gerenciar o dinheiro irá afetar toda sua vida. As crianças devem lidar com o dinheiro, muitas vezes, e desde tenra idade, para se tornarem adultos financeiramente responsáveis. Nunca é demasiado cedo ou demasiado tarde para começar.

Idades e conceitos

Entre 3 e 5 anos, as crianças compreendem conceitos simples, comece com o básico. Ensine-os a identificar as moedas e seus valores. Explique com simplicidade o que significa poupar. Explique porque você escolheu certos itens no mercado, e permita-lhes pagar o caixa. Mantenha a conversa simples e divertida. Entre 6 e 11 anos, uma mesada mensal ajuda a criança a desenvolver um orçamento simples para gerenciar recursos. Separar os dízimos, decidir o percentual de ofertas e os demais percentuais. Quanto ele(a) vai guardar, doar e gastar e, em seguida, fornecer um recipiente para cada categoria.

Entre 12 e 15 anos, aumente a mesada do seu filho e as responsabilidades para prepará-lo para a independência. Ajude-o a criar um orçamento mais detalhado. Adicione novas categorias de poupança para vestuário, atividades e entretenimento. Permita o uso da liberdade, especialmente em decisões de compra; más escolhas reforçam a importância das boas decisões de compras. Também o ajude a avaliar as propagandas e discutir o que cada anúncio está afirmando, e porquê. Deixe seu filho ver você pagar contas, e ensine-o a fazer verificações de depósitos e extratos bancários.

A partir dos 16 anos, a criança está pronta para o treinamento financeiro completo. Abra o seu orçamento para mostrar como você planeja e gerencia sua fidelidade sistemática, poupança, gastos e doações. Faça perguntas sobre decisões a serem tomadas e solicite opinião. Use anúncios e classificados para discutir salários, custos de habitação, e compra de bens. Em última análise, a melhor maneira de ensinar a seus filhos sobre como lidar com o dinheiro é pelo exemplo. O que você vive na prática vai se reproduzir em seus filhos.

Mesada: Conceito e orientações

Mesada é o valor em dinheiro que um pai ou mãe decide dar ao seu filho ou filha, para que eles sejam ensinados a valorizar e administrar o dinheiro como Deus quer.

A. Quando começar com as mesadas?

O plano pode ser iniciado em qualquer tempo após a idade de 6 ou 7 anos. Mas existem casos especiais onde os filhos de menor idade, que foram de alguma forma ensinados pelos pais, estarem prontos para participar no momento em que se recolhem os dízimos e as ofertas.

B. A mesada não deve ser considerada como recompensa ou punição

– A prática mais comum é utilizar a mesada como uma chantagem com vistas a boas notas, ou estimular o filho a ter um melhor comportamento, ou também para a realização de tarefas.

– Quando uma mesada é concedida como recompensa ou castigo, perde-se o valor educativo. Evite educar os filhos através de presentes e indulgências. Não estipule recompensa para cada coisa. “… (os filhos) não devem ser carregados, suprindo-lhes dinheiro como se houvesse inexaurível abastecimento de onde pudessem tirar para satisfação de toda suposta necessidade. ” EGW, O Lar Adventista, p. 386.

C. Diretrizes para o sistema de mesadas
1. O sistema adotado de mesada deve ser explicado à criança desde sua infância.
2. Ela deve ser razoável. Sendo aumentada na proporção em que a criança vai ficando mais velha.
3. Os pais devem estar de acordo com antecedência e ensinar os filhos o que devem separar primeiro – os dízimos e as ofertas – e que outras despesas que a mesada cobrirá.
4. Deve ser paga semanalmente aos filhos menores.
5. Uma vez estabelecida a mesada, não deve ser dado mais dinheiro, pelo fato da criança já ter gasto tudo aquilo que recebeu.
6. Deve ser permitido à criança tomar suas próprias decisões quanto ao gastar. Mais tarde, os pais poderão avaliar com a criança as decisões tomadas por ela.

7. Nenhuma remuneração deve ser dada à criança por realizar tarefas que lhe foram designadas.
8. O pai pode remunerar o filho só quando tiver trabalhos extras para fazer.

PARA DISCUTIR

1. Como a compreensão dos princípios de fidelidade podem ajudar no desenvolvimento do caráter da criança?
2. De acordo com as orientações da lição, como o egoísmo afeta a criança? Como vencê-lo?
3. Quais princípios de amor podem ser ensinados à criança através do ato de dizimar e ofertar?

“Uma das mais eficazes barreiras contra a onda do mal é o cultivo de hábitos de abnegação e benevolência. As crianças devem ser educadas a olhar com desgosto os hábitos de egoísmo e
ambição. Deus tem sobre elas sagrados direitos e precisam ser instruídas, regra sobre regra, mandamento sobre mandamento, a reconhecer e estimar conscienciosamente esses direitos.” Conselhos Sobre a Escola Sabatina. Pág. 140.

Conclusão:
Como pais temos uma grande responsabilidade diante de Deus, que é, preparar os nossos filhos para o Senhor. Não é fácil, no mundo em que vivemos, orientar, educar e incultir
na mente dos nossos filhos princípios que deverão nortear sua vida tanto aqui na terra, mas acima de tudo, preparando-os para o mundo porvir. Mas este é o nosso grande desafio. Nós pais precisamos ensinar os princípios de vida aos nossos filhos tanto pela fala como pelo exemplo.
– Se os pais leem a Bíblia, os filhos a lerão.
– Se os pais fazem o culto familiar, os filhos também o farão.
– Se os pais observam o sábado de pôr-do-sol a pôr–do-sol, os filhos o observarão.
– Se os pais seguem os princípios do viver cristão, bem como os princípios de saúde, os filhos também serão fiéis.
– Se os pais são dizimistas e ofertantes, os filhos também poderão ser se, a eles for lhes dado algum valor para que ofertem ao Senhor.

AUTOR: John Nardini, é escritor e publicou mais de 130 artigos sobre negócios e finanças pessoais. Ele é o autor do popular blog: FreeMoneyFinance.com