Sede Administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia – Nordeste

União Nordeste Brasileira

A Ilha [Ep. 09] Guerra das Estrelas

Star Wars é uma franquia cinematográfica dirigida por George Lucas de amplo sucesso internacional. Na época da sua estreia, em 1977, o filme arrecadou US$ 775,398,007 de dólares e ganhou sete prêmios no Oscar. Já em 2015, Star Wars – O Despertar da Força, alcançou a terceira posição entre os filmes de maior sucesso em bilheteria na história, chegando a impressionante cifra de US$ 2,068,223,624.

O personagem de referência mais conhecido do universo de Star Wars é Darth Vader, primeiramente interpretado por David Prowse. A história de Darth Vader e de Satanás muito se assemelham no ponto de partida. Ambos eram destacados membros de uma ordem que promovia o bem, a justiça e a paz, mas se corromperam por meio de suas ambições, optando pelo lado sombrio. Contudo, há uma enorme diferença entre Darth Vader e Satanás. O primeiro é um personagem da ficção; o segundo, infelizmente é real.

O problema do mal é um dilema cósmico, que chegou até a terra, mas começou no céu, mostrando que mesmo o melhor de nós está sujeito à queda. É certo que o pecado está ligado à desobediência, mas, o que é a desobediência senão o sentimento daquele que pensa que está acima daquele que tenta lhe dar ordens? O pecado nos leva a transgressão da lei (I Jo 3:4), pois ele faz com que nos sintamos acima da lei, no lugar de Deus.

No Apocalipse, estrelas simbolizam anjos (Ap 1: 20) e, no capítulo 12, vemos uma batalha entre anjos. Uma guerra entre estrelas que, ao contrário da fantasia de George Lucas, interfere diretamente na nossa vida. Esta é a batalha que deve prender sua atenção.

1. O que para você significa ser igual a Deus?

2. Você consegue lembrar de situações em que os nossos pecados provam que queremos ser iguais a Deus?

3. Como o nosso #pgmystyle pode contribuir para que o máximo de pessoas sejam resgatadas na Guerra das Estrelas?

A história do pecado é sempre repetitiva: no céu, um anjo quis ser igual a Deus (Isaías 14: 12-14); na Terra, ele prometeu que os homens poderiam ser “como Deus” (Gn 3:5). De lá para cá, cada pecador acredita que não precisa de Deus, que ele mesmo pode decidir o que é certo ou errado na sua vida, que ele pode ser o seu próprio Deus.

Foi então que Cristo veio, e para vencer o pecado ele adotou a estratégia reversa. Se a criatura desejava ser superior e estar no mesmo patamar que o Criador, então o Criador veio se fazer inferior, e chegou no nível mais baixo de sua criação (Leia Filipenses 2:5-11). A guerra é vencida não pela força dos trovões e relâmpagos de Deus, mas pela fragilidade adotada por Deus, torturado em uma cruz, agonizando e entre gemidos, bradando: está consumado!

Todos se envolveram na Guerra das Estrelas, cada um escolheu um lado. Os que optaram pelo lado sombrio receberam uma marca, um número de série, 666. Quer saber qual o significado disso? Não perca o próximo episódio de “A ilha”.

Desafio Prático:

Junte seu #pgmystyle e participe da Missão Calebe, anunciando que a guerra chegará em breve ao fim.

“O pecado é o amor de si mesmo, até o desprezo por Deus “

Agostinho de Hipona

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *